quarta-feira, 30 de março de 2011

Contraditório e paradoxal

João Ferreira leite Luz

(Devaneios)

A vida se explica melhor pelo contraditório e paradoxal
A bondade mingua, a maldade floresce
O belo é o que é feio. E, o que é feio passou a ser belo
“Porque não faço o bem que quero, mas o mal que não quero esse faço”
Bonito hoje é ser desonesto, honestidade é coisa de gente tola
O rico cada dia mais rico, o pobre só faz empobrecer
Roubar “galinha” dá prisão. Desviar verba pública da merenda escolar não
Deveria ser Marina, deu Dilma.

Estamos entorpecidos;

Quando o povo se revolta com o “mensalão”, dólar na cueca, propina, gasolina alta. Açúcar, feijão e o arroz nosso de cada dia com o ICMS lá nas alturas.
Logo vem carnaval, breve esquecemos do que nos machuca
Se o preço aumenta no mercado. Eles dão um jeito de aumentar 30 Reais no salário mínimo (é para rir ou chorar, não sei).
Mas não se preocupe, logo, logo tem olimpíadas, copa do mundo para amenizar. Sem esquecer do Big Brother para arrematar.
Desse jeito não sei não, o povo cada dia mais “imbecilizado” com a televisão.
E, o que era para ser... Isso não é não.

È... Tenho que dar o braço a torcer, Rui Barbosa estava certo; “De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto”.

 Que pena, não!
O que era para ser, não é não
Só me resta crer:
Dum vita est, spes est – Enquanto há vida, há esperança.

Nenhum comentário: