quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Aprendendo com a cura de um leproso


Reflexões sobre a igreja e sua exacerbada ênfase acerca do milagre.


Texto: Evangelho de Marcos, 1.40-45.

Normalmente quando nos deparamos com um texto desses, em que existe uma manifestação de milagre. Sempre nos esquecemos de perceber as lições valiosas que o episódio pode nos ensinar. Ficamos tão deslumbrados com a cura que Jesus fez que não percebemos a riqueza do encontro, e do diálogo entre Jesus e o leproso.

1. A posição física do leproso revela a condição quebrantada do seu coração, e não apenas um método. V.40.

Existem algumas frases no meio evangélico que demonstram mais ou menos a nossa linha de raciocínio, frases do tipo: “Se orar de joelhos Deus ouve”, ou “De joelhos é melhor” ou ainda; “De madrugada a fila é menor”.
A oração não é uma técnica para se conseguir bênção, muito menos as posições e os horários que se destinam a oração podem definir sua eficácia.
Como se Deus se prendesse a fórmulas e métodos humanos para nos atender em nossas petições. A posição do corpo do leproso está em coerência com os sentimentos do seu coração, ou ainda, a posição do seu corpo é uma conseqüência daquilo que já existe no coração.
Seria prudente lembrarmos das palavras de Deus através do profeta Jeremias: “Vocês me procurarão e me acharão quando me procurarem de todo coração”. Jeremias 29-13.
Os sacrifícios que agradam a Deus são primeiro os que nascem da nossa interioridade como disse o rei Davi em oração: “os sacrifícios que agradam a Deus são um espírito quebrantado; um coração quebrantado e contrito, ó Deus não desprezarás”. Salmo 51.17
Se não tomarmos cuidado a posição externa do corpo pode revelar muito mais uma tentativa de demonstrar piedade aos homens do que para com Deus. E foi Jesus quem denunciou esta prática entre os hipócritas: “E quando vocês orarem, não sejam como os hipócritas. Eles gostam de ficar orando em pé nas sinagogas e nas esquinas, a fim de serem vistos pelos outros. Eu lhes asseguro que eles já receberam sua plena recompensa”. Evangelho de Mateus 6.5.

2. Nossas orações não encostam Deus na parede. V 40.

O texto diz que o leproso suplicava de joelhos, isso implica dizer que ele estava insistindo para que Jesus o atende-se. Pois súplica é exatamente isso, uma pessoa que insiste, mas, na sua insistência permanece humilde sem exigir nada.
Então nesse sentido, o leproso pediu, rogou, suplicou; insistiu (Me perdoem à redundância). Mas sempre respeitando a vontade de Jesus.
Li num desses dias um artigo que tem tudo a ver com que estou dizendo, e, gostaria de transcrevê-lo aqui:
Pedi forças e vigor: Deus me mandou dificuldades, para me fazer forte.
Pedi sabedoria, e Deus me mandou problemas para resolver.
Pedi prosperidade, e Deus me deu energia e celebro para trabalhar.
Pedi coragem, e Deus me mandou situações perigosas para superar.
Pedi amor, e Deus me mandou pessoas com problemas para ajudar.
Pedi favores, e Deus me deu oportunidades. Não recebi nada do que queria. Recebi tudo o do que precisava.Minhas preces foram atendidas. Obrigado Senhor.

3. Deus demonstra toda sua humanidade em Jesus. V 41.

“Cheio de compaixão” diz o texto. Jesus movido de íntima compaixão estendeu a mão e tocou no leproso, o que significava quebrar os preceitos da lei, e mais, aquele que tocasse em um leproso era considerado contaminado, cerimonialmente falando. No entanto, Jesus toca no leproso e ele não tem medo dessa contaminação “religioso-cerimonial”, pelo contrário, e o leproso que se sentiu purificado da sua lepra.
Jesus poderia ter apenas dito uma palavra e o leproso estaria curado. Contudo os gestos de Jesus; “estendeu a mão e tocou”. Ou seja, a atitude de estender a mão e tocar deixam transparecer toda a sua humanidade. Jesus não era um Deus déspota, distante, intocável. Pelo contrário, na sua vida aqui nesta terra ele esteve no meio de pobres, pecadores, mendigos; adúlteras e leprosos de toda espécie. Por essa razão se lê a respeito dele em Lucas 4.18: “O Espírito do Senhor está sobre mim, (Jesus) porque ele me ungiu para pregar boas novas aos pobres”.
Deus não é esse Deus distante da religião dos dias atuais. Ele está mais próximo do que podemos imaginar. Deus está presente na mão amiga que nos ajuda a levantar, ele está presente no copo de água que é dado ao cedendo, está bem ali com aqueles que visitam os encarcerados. Como Jesus que, a despeito de toda crítica e censura que os religiosos fizeram por ele tocar em um leproso, e mesmo assim ele tocou. Porque Jesus não era apenas Deus era também homem,e, compreendia muito bem a dor do ser humano.

4. O desejo do coração de Deus é o nosso bem maior, inclusive a nossa cura. Vv 41-42.

Jesus não queria apenas dar saúde para aquele homem, queria devolver a sua dignidade como pessoa. Vejam que no versículo 44, Jesus reintegra o cidadão a sociedade.
O conceito de cura bíblico, é um conceito holístico, ou seja, integral. Em outras palavras Deus cura os homens por completo, muitos ele pode curar do câncer outros ele pode curar no câncer. Deixe-me dar um exemplo que li em um bom livro:

“Certo dia quando eu pastoreava a igreja Betesda de Fortaleza, recebi um telefonema:
-A irmã Terezinha está com câncer. Metástase em toda a região gástrica. O médico disse que é inoperável, e ela quer falar com o senhor.
Fiquei abalado! Logo a Terezinha, tão querida tão fiel. Chamei minha esposa e fomos visitá-la. Pensei que já estivesse acamada, mas se encontrava sentada, aparentemente bem. Mostrou-se alegre ao nos ver e disse:
-Pastor, os médicos acabaram de me dizer que a minha situação é além do tratamento. A quimioterapia poderia proporcionar uma breve sobre vida, mas muito sofrida e dolorosa. Gostaria que o senhor soubesse que optei por não receber nenhum tipo de tratamento. Devo ter no máximo dois ou três meses de vida, e não quero sobrecarregar este tempo de sofrimento e de desespero para meus filhos. Creio que a mensagem do evangelho me preparou para esta hora, e estou pronta para partir. Já chamei todos os meus filhos, porque quero mostrar-lhes que o Deus no qual eu creio é um Deus vivo e verdadeiro, e que estou enfrentando esta hora com tranqüilidade por causa da fé que um dia eu recebi e abracei.
Ao ouvir suas palavras, pensei comigo: ‘Esta mulher está sendo curada no câncer’. Poucos meses depois de sua morte, encontrei um de seus filhos. Ele me abraçou , chorou no meu ombro e disse:
-Pastor , sou imensamente grato pela mensagem que tocou o coração da minha mãe e transformou sua vida. Hoje posso entender que o cristianismo é a verdade de Deus, porque a minha mãe foi um exemplo vivo dessa verdade até seus últimos momentos”

Orgulho de ser evangélico, pg. 38-39. Editora ultimato.

“O evangelho não se propõe a curar apenas o aspecto físicos das doenças, mas a restaurar o homem por inteiro, no mais profundo do seu ser”.

5. Jesus sempre buscou andar com discrição. Vv 43-44.

Jesus sempre andou longe dos aplausos humanos, creio que isto está na bíblia para não apenas revelar o caráter de Jesus, como também para nos servir de exemplo de conduta.
Existem alguns textos que necessitam ser lidos: Evangelho de Mateus 12.15-16 e Marcos 7.36.
Obscuridade não é sinônimo de fracasso ministerial, e essa busca de fama, sucesso, títulos e cargos. Só revelam nossa imaturidade, nossa pequenez e incapacidade de compreender os valores do Reino.
Foi Jesus quem disse que aqueles que se exaltam serão humilhados. Portanto os pequenos buscam glória, só os grandes de verdade buscam discrição.

6. É Jesus que atrai as pessoas para Deus. V 45.

Hoje à igreja precisa de recursos agressivos para atrair as pessoas, no entanto, Jesus as atraia por estar perto do Pai. V 35. O interessante é que Jesus foi para o deserto, mas mesmo assim as pessoas foram atraídas para perto dele.
Estamos usando a mídia: televisão, rádio e internet. Também folhetos, campanhas com títulos atrativos. Usamos e abusamos do marketing, das técnicas de mercado etc.
O segredo para que as pessoas venham a Deus é Jesus. Quando trocamos Jesus por campanhas de milagres, de prosperidade, de poder e de unção. A igreja deixa de ser portadora do Reino, pois sua mensagem se nivela a todas as demais.
Gosto muito de uma frase que ouvi já há alguns anos, e que diz assim: “A igreja não precisa de dinheiro, a igreja precisa de Deus”.
Acredito piamente nesse princípio de que a maior necessidade da igreja nesses dias atuais seja uma necessidade de Deus.

"Isso fica feliz em ser útil"
João Ferreira Leite Luz

Um comentário:

Anônimo disse...

valeu!gostei muito.