domingo, 9 de agosto de 2009

"Na vida tereis aflições"

Categoria - reflexões

No meio da entrevista o apresentador fez a pergunta: “Como você se sente perdendo precocemente uma netinha com apenas um ano e oito meses de idade, e como se não bastasse ainda tem que cuidar do pai e da mãe que estão idosos e doentes?”. Fiquei espantado com a convicção da resposta que ela deu: “Sinto que Deus me dá forças para continuar”.
A história narrada acima é real, com pessoas comuns ao nosso dia a dia. A resposta que a mulher deu representa bem o que eu acredito. Que na caminhada Deus não nos oferece cuidados distintos dos que ele oferta aos demais, só por sermos cristãos. Deus na caminhada da vida nos oferece a mão quando caímos; oferta-nos o ombro quando precisamos de conforto, nos dá sua presença em todos os instantes.
Não acredito que Deus cuide mais dos crentes e menos daqueles que não o são. Porque assim Deus estaria traindo um de seus atributos – Deus é justo, e se no exercício de sua justiça ele privilegia uns em detrimento de outros, nesse caso ele estaria fazendo distinção de pessoas o que no mínimo indicaria uma divindade manhosa.
Acho uma aberração essa mensagem evangélica triunfalista que nos oferece uma espécie de carta de alforria de problemas. Antes creio num Deus que ama a todos indistintamente e que não fica interferindo em tudo, mas que junto conosco, ao nosso lado constrói a história permeada por contingências.

“Eu estarei convosco todos os dias” - Jesus Cristo.
João Ferreira Leite Luz

4 comentários:

Doroni Hilgenberg disse...

João, Grande veradade,.
Seus não dá um premio a um filho em detrimento de outro. Seria mesmo a maior das injustiça. E também não dá uma cruz maior do que a quela que podemos carregar. Tudo depende do modo como a pessoa carrega essa cruz. Podemos deixa-la bem leve. As vezes fico pensando e não consigo me conformar com as crianças morrendo de fome na África, mas isso não é obra de Deus e sim do homem.
bjs

carla disse...

Bravo!!! Texto inteligente, delicado, profundo, honesto, atual e que vem ao encontro do eu penso e vivo atualmente.
Gosto de quem "respeita" Deus e o ama como Ele é, e não vive transformando-O por aí em tudo que sua ilusão, ambição, pobreza de espírito e onipotência determinam. Deus é Deus e ponto, e não somos o "centro do universo" de Deus ("ferida narcísica").
Grande abraço.

João Ferreira disse...

Querida Carla,

Fiquei muito lisongeado por suas palavras, também creio num Deus que está muito além dos fronteiras do nosso raciocínio.

Abraço forte,

Do seu servo,

João

Alex Malta Raposo disse...

Muito abençoada a sua página.

Estarei sempre voltando para ler novos artigos (e os que ainda não li). Parabéns e que o Senhor Deusa continue lhe abençoando.

Se quiser visitar a minha singela e humilde página, o endereço é www.vivendooevangelho.blogspot.com