segunda-feira, 18 de maio de 2009

Meus novos amigos

(Categoria – minha história)

Tenho encontrado novos amigos, e pasmem-se, mais meus novos amigos não vêm do círculo de relações religiosas. Ando me sentindo bem em meio aos poetas.
No meio religioso as pessoas se tornam hábeis em se esconder atrás de sermões hipócritas, atrás de clichês e frases de efeito. Pura máscara, pois enquanto o coração rasga de dor, esboçam no rosto um sorriso amarelo de super-homem, fazendo pose de intocável. Escondendo assim o que vai à alma.
Os poetas deixam à alma nua quando em versos falam de amor, de alegria, mas também não ocultam nem disfarçam quando falam da tristeza do próprio coração, simplesmente fazem análise no divã de seus leitores.
Sinceridade, essa é a palavra. Os poetas (os de verdade) são sinceros e não temem se expor, pois sabem que todos os seres humanos são igualmente miseráveis e carecem a cada manhã de novas misericórdias.
Não busco mais ser religioso, aliás, já abandonei essa busca já faz tempo, busco um coração de poeta. Pois intuo que Deus seja o maior dos poetas.
Ando em meio a poetas e me sinto em boa companhia.

Que Deus me ajude!
João Ferreira Leite Luz

2 comentários:

ŁǺи¥ disse...

Infelizmente apesar de achar o caminho do Senhor um caminho ímpar... o melhor!! Concordo contigo... tem muitos que além de fingirem estar bem, ainda espiritualizam tudo... não entendem que apesar de servos, tem alma, coração... sentimentos. Isso é ruim... porque convenhamos, nem tudo é diabo, tem coisas que realmente passamos que faz parte do crescimento da nossa vida... e muitas vezes é sim, muito doloroso...
Os poetas tem essa sensibilidade de colocar em linhas a sua alma... seus sentimentos... pena eles não somarem isso com as coisas do Senhor... Mas, num todo, concordo contigo... parece ter essa sensibilidade em dar vazão aos sentimentos... isso é ótimo!!

Adoro passar por aqui... que Deus abençoe vc e sua familia!!

Abraço! =)

João Ferreira disse...

Querida Lany,

Seguir Jesus de nazaré é o caminho mais empolgante e dasafiador que já optei por trilhar, e jamais, repito, jamais desistirei dele. O que não tolero é a religiosidade patética dos dias atuais. Portanto, busco uma espiritualidade mais humana, mais sensata e mais lúcida.
E os poetas tantos cristãos como seculares têm me ensinado a buscar a essência das coisas.

Grato pelas palavras,

Forte abraço,

João