domingo, 10 de fevereiro de 2013

Dádivas...



João Ferreira Leite Luz
(paranóicas)

Uma dádiva se ganha. Entretanto, às vezes se busca e se procura incessantemente por ela, e, ganhamos por fim o que queríamos.
Agora, nem sempre o que queríamos pode ser considerado como legítimo, mas pode vir a ser?
O que legitima uma ação? É uma pergunta no mínimo incisiva.
Tudo estava lá no presente, até um presente. Também o passado e possivelmente o futuro.
Estavam lá o amor e o ódio e a indiferença também apareceu por lá.
Um pecado desejado e conspirado.
Um pecado puro e inocente e também culpado – paradoxos da vida real nua e crua como ela é.
Dizem que o pecado é uma loira que mora na outra ponta da nossa rua, mas não sei não. Intuo que o pecado mora mesmo dentro de cada um de nós enjaulado, e que às vezes escapa.
O que legitima uma ação são as motivações, as razões e os porquês e não a atitude em si.
Então aquela dádiva foi legítima, mesmo não sendo legitimada?
Ainda não sei.
Só sei que é uma dádiva