domingo, 24 de janeiro de 2010

Quantas besteiras

(Cogitações apenas)

Fico impressionado como se lida com superficialidades nas igrejas, como se usa os púlpitos, ou melhor, como se desperdiça os púlpitos falando besteiras em nome de Deus. Acertadamente certo pastor disse que estamos nos tornando especialistas em irrelevâncias.

Num desses dias ouvi um pastor dizendo que chegou atrasado ao culto porque o diabo havia escondido a chave do seu carro, tentando impedi-lo de pregar naquela noite, pois o diabo sabia que Deus iria fazer grandes coisas naquele lugar. Quanta superstição evangélica! Parece mais um daqueles encantamentos da mente desvairada de Dom Quixote, que via feitiçaria em tudo.

Não agüento mais a frase: “vamos orar para Deus amarrar o demônio da miséria”. Quanto simplismo, fugimos de nossa responsabilidade social e colocamos a culpa no diabo, quando na verdade a tarefa de acabar com as injustiças sociais é nossa. Infelizmente os pastores que eram para estar denunciando os abusos da máquina luciferiana daqueles que detêm o poder, se venderam por um “prato de lentilhas”, venderam a alma ao diabo para terem um espaço ridículo na mídia televisiva.

Andam dizendo que Deus tira o emprego dos que são do “mundo” para dar para aqueles que são crentes. Não consigo imaginar Deus tirando o emprego de um pai de família só porque ele não pertence ao nosso mundinho gospel, para dar a um suposto crente. Digo mais, ter um bom emprego não depende apenas de oração, mas também de capacidade, dedicação e oportunidades.

È nisso que dá, “os do mundo” estudam, se preparam, acordam cedo e dão um duro danado, enquanto muitos dos que se dizem crentes são preguiçosos, contudo, ficam orando e esperando para que Deus tire o cargo de gerente daquele que não é crente para dar para ele. Meus queridos pastores, sinto muito, mais que absurdo heim!

Tantas questões importantes, e nós... lidando com questiúnculas. Que pena!

Que Deus me ajude!

João Ferreira Leite Luz

Nenhum comentário: