segunda-feira, 13 de julho de 2009

O albergue


Categoria – minha história

Alamedas; Túmulos, lápides, velas e vasos com flores. Sim, falo de um cemitério. Lugar de tristezas e lembranças doidas, e que de dia já é lúgubre, imagine de noite à alta madrugada. Pois minha mãe num de seus momentos de muita luta e pobreza já dormiu diversas noites no lar dos mortos, fez do cemitério um albergue para repousar com seus filhos mal alimentados.
De fato, a vida de dona Maria não foi nada fácil, contudo, venceu. Criou seus oito filhos sem nunca roubar ou prostituir, ao contrário, trabalhou muito de empregada doméstica e de lavadeira de roupas. Foi submetida a diversas humilhações onde trabalhou para pessoas ricas de sobrenome importante, mas com nenhum senso de humanidade.
Muitas vezes quando na vida me sinto desanimado olho para vida de minha mãe, e este lenitivo me basta.
“Maria, bendita és tu entre as mulheres”. Viveste dignamente e tua história me comove, inspira e desafia.
Percebo-me pequeno, quem me dera ter a metade de tua força e ser metade do que tu és.
Mãe. Reverencio tua grandeza.

O menor de teus filhos,
João Ferreira leite luz

2 comentários:

Leonardo Gonçalves disse...

Paz mano.

Legal passar por aqui. Muito bom saber que há blogueiros repensando conceitos, pois a reforma não é um ato, mas um processo que durará até a vinda de Cristo. Ainda há muito para ser feito...

Pax et Bonum!

Leonardo Gonçalves
www.pulpitocristao.com

João Ferreira disse...

Leonardo,

Grato sou por sua generosidade em deixar seu comentário.

João