sábado, 2 de maio de 2009

Aprendendo com a cura de um leproso

(Categoria – estudos republicados)

Evangelho de Marcos, 1.40-45

Normalmente quando nos deparamos com um texto desses, em que existe uma manifestação de milagre. Sempre nos esquecemos de perceber as lições valiosas que o episódio pode nos ensinar. Ficamos tão deslumbrados com a cura que Jesus fez que não percebemos a riqueza do encontro, e do diálogo entre Jesus e o leproso.

A posição física do leproso revela a condição quebrantada do seu coração, e não apenas um método. V.40.

Existem algumas frases no meio evangélico que demonstram mais ou menos a nossa linha de raciocínio, frases do tipo: “Se orar de joelhos Deus ouve”, ou “De joelhos é melhor” ou ainda; “De madrugada a fila é menor”.
A oração não é uma técnica para se conseguir bênção, muito menos as posições e os horários que se destinam a oração podem definir sua eficácia.
Como se Deus se prendesse a fórmulas e métodos humanos para nos atender em nossas petições. A posição do corpo do leproso está em coerência com os sentimentos do seu coração, ou ainda, a posição do seu corpo é uma conseqüência daquilo que já existe no coração.
Seria prudente lembrarmos das palavras de Deus através do profeta Jeremias: “Vocês me procurarão e me acharão quando me procurarem de todo coração”. Jeremias 29-13.
Os sacrifícios que agradam a Deus são primeiro os que nascem da nossa interioridade como disse o rei Davi em oração: “os sacrifícios que agradam a Deus são um espírito quebrantado; um coração quebrantado e contrito, ó Deus não desprezarás”. Salmo 51.17
Se não tomarmos cuidado a posição externa do corpo pode revelar muito mais uma tentativa de demonstrar piedade aos homens do que para com Deus. E foi Jesus quem denunciou esta prática entre os hipócritas: “E quando vocês orarem, não sejam como os hipócritas. Eles gostam de ficar orando em pé nas sinagogas e nas esquinas, a fim de serem vistos pelos outros. Eu lhes asseguro que eles já receberam sua plena recompensa”. Evangelho de Mateus 6.5.

Nossas orações não encostam Deus na parede. V 40.

O texto diz que o leproso suplicava de joelhos, isso implica dizer que ele estava insistindo para que Jesus o atende-se. Pois súplica é exatamente isso, uma pessoa que insiste, mas, na sua insistência permanece humilde sem exigir nada.
Então nesse sentido, o leproso pediu, rogou, suplicou; insistiu (Me perdoem à redundância). Mas sempre respeitando a vontade de Jesus.
Li num desses dias um artigo que tem tudo a ver com que estou dizendo, e, gostaria de transcrevê-lo aqui:
Pedi forças e vigor: Deus me mandou dificuldades, para me fazer forte.
Pedi sabedoria, e Deus me mandou problemas para resolver.
Pedi prosperidade, e Deus me deu energia e celebro para trabalhar.
Pedi coragem, e Deus me mandou situações perigosas para superar.
Pedi amor, e Deus me mandou pessoas com problemas para ajudar.
Pedi favores, e Deus me deu oportunidades. Não recebi nada do que queria. Recebi tudo o do que precisava.Minhas preces foram atendidas. Obrigado Senhor.


Deus demonstra toda sua humanidade em Jesus. V 41.

“Cheio de compaixão” diz o texto. Jesus movido de íntima compaixão estendeu a mão e tocou no leproso, o que significava quebrar os preceitos da lei, e mais, aquele que tocasse em um leproso era considerado contaminado, cerimonialmente falando. No entanto, Jesus toca no leproso e ele não tem medo dessa contaminação “religioso-cerimonial”, pelo contrário, e o leproso que se sentiu purificado da sua lepra.
Jesus poderia ter apenas dito uma palavra e o leproso estaria curado. Contudo os gestos de Jesus; “estendeu a mão e tocou”. Ou seja, a atitude de estender a mão e tocar deixam transparecer toda a sua humanidade. Jesus não era um Deus déspota, distante, intocável. Pelo contrário, na sua vida aqui nesta terra ele esteve no meio de pobres, pecadores, mendigos; adúlteras e leprosos de toda espécie. Por essa razão se lê a respeito dele em Lucas 4.18: “O Espírito do Senhor está sobre mim, (Jesus) porque ele me ungiu para pregar boas novas aos pobres”.
Deus não é esse Deus distante da religião dos dias atuais. Ele está mais próximo do que podemos imaginar. Deus está presente na mão amiga que nos ajuda a levantar, ele está presente no copo de água que é dado ao cedendo, está bem ali com aqueles que visitam os encarcerados. Como Jesus que, a despeito de toda crítica e censura que os religiosos fizeram por ele tocar em um leproso, e mesmo assim ele tocou. Porque Jesus não era apenas Deus era também homem,e, compreendia muito bem a dor do ser humano.

O desejo do coração de Deus é o nosso bem maior, inclusive a nossa cura. Vv 41-42.

Jesus não queria apenas dar saúde para aquele homem, queria devolver a sua dignidade como pessoa. Vejam que no versículo 44, Jesus reintegra o cidadão a sociedade.
O conceito de cura bíblico, é um conceito holístico, ou seja, integral. Em outras palavras Deus cura os homens por completo, muitos ele pode curar do câncer outros ele pode curar no câncer. Deixe-me dar um exemplo que li em um bom livro:

“Certo dia quando eu pastoreava a igreja Betesda de Fortaleza, recebi um telefonema:
-A irmã Terezinha está com câncer. Metástase em toda a região gástrica. O médico disse que é inoperável, e ela quer falar com o senhor.
Fiquei abalado! Logo a Terezinha, tão querida tão fiel. Chamei minha esposa e fomos visitá-la. Pensei que já estivesse acamada, mas se encontrava sentada, aparentemente bem. Mostrou-se alegre ao nos ver e disse:
-Pastor, os médicos acabaram de me dizer que a minha situação é além do tratamento. A quimioterapia poderia proporcionar uma breve sobre vida, mas muito sofrida e dolorosa. Gostaria que o senhor soubesse que optei por não receber nenhum tipo de tratamento. Devo ter no máximo dois ou três meses de vida, e não quero sobrecarregar este tempo de sofrimento e de desespero para meus filhos. Creio que a mensagem do evangelho me preparou para esta hora, e estou pronta para partir. Já chamei todos os meus filhos, porque quero mostrar-lhes que o Deus no qual eu creio é um Deus vivo e verdadeiro, e que estou enfrentando esta hora com tranqüilidade por causa da fé que um dia eu recebi e abracei.
Ao ouvir suas palavras, pensei comigo: ‘Esta mulher está sendo curada no câncer’. Poucos meses depois de sua morte, encontrei um de seus filhos. Ele me abraçou , chorou no meu ombro e disse:
-Pastor , sou imensamente grato pela mensagem que tocou o coração da minha mãe e transformou sua vida. Hoje posso entender que o cristianismo é a verdade de Deus, porque a minha mãe foi um exemplo vivo dessa verdade até seus últimos momentos”

Orgulho de ser evangélico, pg. 38-39. Editora ultimato.

“O evangelho não se propõe a curar apenas o aspecto físicos das doenças, mas a restaurar o homem por inteiro, no mais profundo do seu ser”.

Jesus sempre buscou andar com discrição. Vv 43-44.

Jesus sempre andou longe dos aplausos humanos, creio que isto está na bíblia para não apenas revelar o caráter de Jesus, como também para nos servir de exemplo de conduta.
Existem alguns textos que necessitam ser lidos: Evangelho de Mateus 12.15-16 e Marcos 7.36.
Obscuridade não é sinônimo de fracasso ministerial, e essa busca de fama, sucesso, títulos e cargos. Só revelam nossa imaturidade, nossa pequenez e incapacidade de compreender os valores do Reino.
Foi Jesus quem disse que aqueles que se exaltam serão humilhados. Portanto os pequenos buscam glória, só os grandes de verdade buscam discrição.

É Jesus que atrai as pessoas para Deus. V 45.

Hoje à igreja precisa de recursos agressivos para atrair as pessoas, no entanto, Jesus as atraia por estar perto do Pai. V 35. O interessante é que Jesus foi para o deserto, mas mesmo assim as pessoas foram atraídas para perto dele.
Estamos usando a mídia: televisão, rádio e internet. Também folhetos, campanhas com títulos atrativos. Usamos e abusamos do marketing, das técnicas de mercado etc.
O segredo para que as pessoas venham a Deus é Jesus. Quando trocamos Jesus por campanhas de milagres, de prosperidade, de poder e de unção. A igreja deixa de ser portadora do Reino, pois sua mensagem se nivela a todas as demais.
Gosto muito de uma frase que ouvi já há alguns anos, e que diz assim: “A igreja não precisa de dinheiro, a igreja precisa de Deus”. Porque se Deus estiver na igreja o dinheiro vem naturalmente.
Acredito piamente nesse princípio de que a maior necessidade da igreja nesses dias atuais, seja uma necessidade de Deus.

Que Deus nos ajude!
Miserandus, a, um – ah! Mísero que sou!
João Ferreira Leite Luz

3 comentários:

ŁǺи¥ disse...

Belo texto. Lindo teu blog... passa algo muito bom. Me senti bem aqui... já virei seguidora.

Excelente noite!

Tudo de bom para vc e sua familia! =)

João Ferreira disse...

Lany,

Que bom que gostou, fico grato e feliz por tuas palavras.

Abraço,

João

Anônimo disse...

Boa reflexão, a prepotência demonstrada por alguns pastores realmente em nada combinam com a humildade e a discrição de Jesus.