quarta-feira, 15 de abril de 2009

Minha querida Dulcinéia desse cavaleiro andante

(Categoria - minha história)

Não deve ser nada fácil conviver comigo, daí eu acreditar que minha esposa mereça um troféu. Afinal de contas suportar um cara feito eu, cuidar de três filhos e ainda arrumar tempo para cuidar da beleza alheia.
Posso afirmar que sou um eterno apaixonado, pois, me casei por amor e depois de 11 anos de casados, depois de muitas decepções, muitas crises e desilusões digo que meu amor não diminuiu, ao contrário, aumentou. Só que esse amor não é um amor absurdo de filmes e novelas, é um amor maduro que admira as virtudes da pessoa que está ao lado da gente, mas também não ignora os defeitos.
Elisângela é o nome da “Dulcinéia” que está batalhando na vida junto comigo.
Já passamos muitas coisas juntos, momentos que pensei não poder suportar, no entanto, aqui estamos de cabeça erguida, prontos para continuar caminhando, sonhando e amando.
Minha prece ao Deus dos céus é que cresçamos juntos, e cada dia possamos construir, pois casamento não vem pronto necessita ser construído dia após dia. Amém!

Que Deus nos ajude!
Affectio maritalis – afeição conjugal
João Ferreira leite luz

3 comentários:

elisangela-5@hotmail.com disse...

É porque você é um grande homem e porque te amo meu menininho

te amo muito

Elisângela disse...

Paixão, quero também crescer dia após dia ao teu lado, e construir junto contigo uma história.

De sua querida Dulcinéia

João Ferreira disse...

Grande homem? Bondade sua.

Te amo sem palavras,

João