sexta-feira, 17 de abril de 2009

Carta aberta de agradecimento aos meus irmãos

(Categoria – Minha história) Obs:Republicação

“O mundo avança graças àqueles que já sofreram”
Leon Tolstoi

Sou de família de origem pobre, cresci sem a presença paterna com inúmeras dificuldades. Contudo, tive quem se importasse comigo e devo muito, muito mesmo aos meus irmãos mais velhos.
Gostaria de deixar aqui registrado minha gratidão, pois sei que se não fosse por eles talvez minha vida tivesse tomado rumos diferentes. Sei, contudo que não sou grande coisa, mas luto para ser um homem integro.
Agradeço ao Camilo, ao José Donizete e ao Paulo Leite por terem trabalhado como bóia fria (cortadores de cana) para que eu pudesse comer; vestir e estudar, e, acima de tudo para que eu não precisasse seguir a sina de levantar às 4 da manhã, comer comida gelada e trabalhar sujo, fedido e com as mãos cheias de calos deixados pelo manusear constante cabo do facão cortando os feixes de cana. Se hoje possuo um emprego bacana, e tenho acesso ao mínimo de informação foi porque eles sofreram por mim.
Seria injusto se eu me esquecesse de agradecer a Maria Aparecida pelas vazes que ela me levava para sua casa, sendo ela ainda uma recém casada e sem filhos. Quantas vezes eu pude nesta casa ter o luxo de usar um vaso sanitário, tomar banho de chuveiro elétrico e dormir sozinho em uma cama; coisas que em minha casa ainda não eram possíveis.
Não tenho palavras para expressar minha gratidão a Conceição - minha irmã que sempre morou fora, pela generosidade de todo natal trazer presentes para toda nossa família, talvez ela não saiba, mas eu me sentia o garoto mais importante do mundo por ter uma irmã que me presenteava.
Sou grato a Davina e Regina por cuidarem de mim, e, terem paciência com àquele moleque arteiro e birrento que eu era (ou ainda sou, tenho dúvidas).
O pensamento do grande escritor russo Leon Tolstoi pode não fazer sentido para ninguém, no entanto para mim faz todo sentido do mundo: “O mundo avança graças àqueles que já sofreram”. Se, cheguei até aqui foi porque minha família sofreu para que eu tivesse menos sofrimento, e farei tudo possível ao meu alcance para que meus filhos sofram menos que eu.

Que Deus me ajude!
Ad futuram memoriam – para lembrança futura
João Ferreira Leite Luz

4 comentários:

Efigênia Coutinho disse...

João Ferreira Leite Luz, você chega e da uma lição ao mundo, onde muitos deveriam ler este seu texto, onde sua alma se eleva diante de seu relato de vida, eu estou sem palavras para lhe dizer da magnitude do seu gesto, me senti muito pequena diante de sua grandeza interior, e se revelando ao mundo exterior. Eu me levanto em sua homenagem, e rendo-me a sua magna pessoa, meus cumprimentos,
Efigênia Coutinho

João Ferreira disse...

Efigênia,

Não me sinto digno de tuas palavras, mesmo assim obrigado por tua preciosa adimiração.

João

poliana disse...

Gratidão e grandeza de espírito andam lado a lado...
Você é um homem especial, fico feliz por ter invadido seu espaço e tê-lo conhecido.

Muito lindo tudo o que Vc escreve.

bj

João Ferreira disse...

Cara Poliana,

Suas palavras me deixam sem jeito, obrigado pelo carinho.
Não consigui acessar seu perfil e nem seu e-mail para que eu pudesse escrever lhe agradecendo.

Forte abraço,

João