segunda-feira, 9 de março de 2009

O belo e o feio

(Categoria – Reflexões)

“Todos temos duas personalidades: a verdadeira e a social, que nem sempre rimam uma com a outra”.
Josué Montello - Escritor

“Eu sou uma pergunta para mim mesmo, um enigma exasperador... essa estranha dualidade de pó e gloria”.
Richard Holloway – Bispo católico

“O coração humano tem tantos recônditos da vaidade, tantos esconderijos do engano, é tão encoberto de fraude e hipocrisia que frequentemente engana a si mesmo”.
João Calvino – Reformador francês

“Tenho demônios interiores contra os quais estou lutando”.
Mike Tyson – Pugilista americano

“O mal que o homem encontra mais amiúde em sua vida é o mal que vive dentro dele”.
Aleksander Mien – Sacerdote ortodoxo russo

“Há em todos nós traços de inteligência, criatividade e compaixão entrelaçados com traços de fraude egoísmo e crueldade”.
Philip Yancey – Escritor e jornalista americano

“Quem sou eu? Este ou aquele? Sou eu um, hoje, e outro, amanhã? Sou eu ambos ao mesmo tempo?”.
Dietrich Bonhoeffer – Pastor e teólogo alemão

“Puxei um fiapo na minha alma e achei uma grossíssima corda de amarrar navio atada ao cerne do meu ser”.
Caio Fábio – Pastor brasileiro

“Entre os humanos não existem monstros nem santos. Todos, absolutamente todos, convivem com suas luzes e sombras. Nenhum herói abraçou completamente o bem e nenhum vilão encarnou todo o mal”.
Ricardo Gondim – Pastor da Betesda

Todos têm um lado feio, um lado que gostamos de encobrir. Na verdade mascaramos certas áreas de nossas vidas.
Somos seres constituídos de vícios e virtudes, de grandeza e mediocridade, de bondade e maldade. Somos santos e impuros ao mesmo tempo; em certos momentos sobressaem às virtudes, em outros, revelamos aquilo de ruim que carregamos no oculto do nosso ser.
Acho incrível como dissimulamos no emprego, no relacionamento com os de fora. Mas em contrapartida somos intolerantes com os da nossa própria casa. Não existe melhor lugar para saber quem somos de fato, como dentro do nosso convívio cotidiano, dentro da nossa família.
Eu, pessoalmente me tornei hábil na arte do disfarce, aliás, na vida aprendi representar diversos personagens. No entanto, chega um momento da vida em que já não dá mais para continuar sendo artista da novela da vida real. Existe um dia da vida em que cada um tem que descobrir quando é a hora de parar de encenar para se tornar aquilo que é, para ser ele mesmo, para se encontrar.
Aquele que passa pela vida escondendo aquilo que vai ao coração, corre o risco de perder a alma, ou seja, perder a sensibilidade para admitir que dentro do próprio coração existam coisas que cheiram mal, coisas horríveis.
São poucos cristãos que tem peito para encarar a sua feiúra interior e admitir que seja tão miserável quanto qualquer outro pecador.
Penso que a capacidade viver de maneira equilibrada, de transitar entre o feio e belo interior, é que nos habilita viver de maneira mais sensata e humana.
Quando aprendemos a nos ver diante do espelho como realmente somos, passamos a compreender que não somos melhores que ninguém. È um absurdo acreditar que, por pertencer ao mundinho religioso protestante-evangélico, somos melhores que o resto das pessoas. Somos todos, todos iguais. Se formos sinceros o suficiente para admitir, é claro. Se não, continuamos camuflando e mostrando só o que há de belo em nós. Enquanto isso nossas esposas e nossos filhos são quem paga o pato, pois na maioria das vezes são eles que convivem com nosso verdadeiro eu.

Que Deus tenha piedade de nós!
Absconditum mentis – o escondido da mente
João Ferreira Leite Luz

5 comentários:

Sola Fide disse...

Pega esse aí João:

"Quem passou pela vida em branca nuvem,
E em placido repouso adormeceu;
Quem não sentiu o frio da desgraça,
Quem passou pela vida e não sofreu,
Foi espectro de homem, não foi homem,
Só passou pela vida, não viveu."

Doroni disse...

Adorei seu blog
E essa página então, nos faz repensar nossos conceitos, nossas atitudes perante a vida, perante nos mesmos e os demais que povoam esse universo, que precisam de ajuda e de quem lhes estenda a mão. Muitas vezes uma palavra já basta para elevar a auto estima e fazer da pessoa um ser mais digno.
Sua familia é linda!
Que Deus os proteja
bjs

João Ferreira disse...

Doroni,

Fiquei deveras agradecido por alguém tão distante, e, de uma cultura tão elevada ter se interessado por meus singelos rabiscos.

Obrigado

João Ferreira disse...

Fabinho, irmãozão do peito.

Valeu pela visita. De fato, a vida é mesmo assim toda cheia de aflições e quem não sofre, ainda não compreendeu o que é viver.

Abraço forte

Raphael Rap disse...

Opa, bom saber que gostou cara.

O teu tb é muito bom. Vou continuar visitando, sempre a repensar algum conceito já engessado...